28.01.2016 | 11 dicas para sua empresa prosperar em 2016

Uma das dicas é: nunca misture as despesas pessoais com as despesas da empresa.

No mundo dos negócios não existe sorte, nem mágica. Para obter sucesso em todas as áreas é necessário capacitação e um planejamento bem feito, com foco nos resultados em longo prazo.

Com base nisso, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Espírito Santo (Sebrae ES) identificou alguns dos principais problemas que os pequenos negócios capixabas enfrentaram durante o ano de 2015 e separou algumas dicas para que os empreendedores acertem o alvo em 2016.

O diretor de Atendimento do Sebrae ES, Ruy Dias  de Souza, explica que a Unidade de Atendimento Individual da instituição lida com empresários de diversos segmentos todos os dias, o que permite conhecer de perto alguns dos principais problemas que os pequenos negócios capixabas enfrentaram durante o ano de 2015. “Esclarecemos diversas dúvidas e identificamos problemas gerenciais nas mais diversas áreas, como consolidação de controles de resultados e acesso à inovação; obtenção de recursos para financiar o crescimento das empresas; controle de qualidade; recrutamento e seleção de pessoal; acesso a mercados e informações sobre indicadores financeiros de resultado”, afirmou.

De acordo com Ruy Dias, é necessário que o empreendedor realize uma retrospectiva e faça uma análise criteriosa da sua administração. “Avaliar o que deu errado é um processo doloroso, mas por meio disso, o empreendedor detecta pontos cruciais nos quais pode ter falhado, reavalia conceitos e busca alternativas para que o seu negócio decole nos próximos anos. Não há outro modo de fazer isso senão com um bom planejamento, visão de futuro e investimento em capacitação. É bom frisar que isso é apenas o começo e deve ter uma continuidade”, complementou.

Ele destaca que o Sebrae ES oferece capacitação e assessoria especializada aos empreendedores de todo o Estado. “No geral, os pequenos negócios possuem problemas pontuais, mas que afetam toda a estrutura organizacional do empreendimento caso não sejam resolvidos. O Sebrae ES possui especialistas que estão de prontidão para atender às mais variadas demandas. Durante todo o ano, oferecemos cursos, palestras, oficinas e consultorias, com vistas a auxiliar o empreendedor na solução desses problemas. Quem precisar, pode nos procurar”, encerrou.


Confira onze dicas básicas para que o seu negócio tenha sucesso durante o ano de 2016:


1. Estabeleça  objetivos para o ano, seja na área de vendas, mercado, melhorias e/ou investimentos;

2. Elabore plano de ação para o alcance dos objetivos traçados;

3. Compartilhe com a equipe os objetivos e plano de ação e monitore os resultados;

4. Não misture as despesas pessoais com as despesas da empresa;

5. Estabeleça uma renda mensal fixa como forma de salário para o proprietário administrador (pró-labore);

6. Mantenha em dia os controles financeiros básicos: caixa, bancos, vendas, compras, contas a receber, contas a pagar, estoque e gastos com funcionários;

7. Conheça todos os custos da empresa e oportunidades de mercado para estabelecer corretamente o preço de venda do produto e/ou serviço;

8. Analise sua empresa hoje e tenha uma visão de futuro (ninguém pode fazer isso por você);

9. Conheça a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus principais benefícios, que são exclusivos para os pequenos negócios;

10. Esteja sempre aberto para aprender;

11. Sempre é possível implantar uma melhoria, mesmo nos processos da empresa. Não se acomode, isso também é inovar.

Fonte:revistapegn

07.01.2016 | Os dez passos para abrir uma franquia

Conheça todas as etapas do processo para se tornar um franqueado - e aprenda a evitar problemas na hora de assinar os contratos.

 

 Os dez passos para abrir uma franquia

Sequência de ações - desde a ideia inicial até a inauguração da franquia - visa à segurança do empreendedor e ao sucesso do negócio

 

Fonte: Revista Pgn

23.11.2015 | Como fazer um plano de vendas para vencer na crise?

Veja 4 Estratégias de Crescimento para 2016. Ao fazer o seu planejamento estratégico para 2016, use estas dicas para montar seu plano de vendas e acelerar o seu crescimento.


No clássico filme Campo dos Sonhos,o protagonista recebe a inspiração de uma voz imaginária: “se você construir, eles virão”. Esta frase ficou famosa no mundo dos negócios e acabou virando um lema para várias startups e empreendedores: concentre-se no desenvolvimento do seu produto e os clientes virão. Se você é aquele empreendedor que vê Vendas e Marketing como um mal necessário ou se você está sofrendo com as turbulências na economia, nunca foi tão importante ter um foco especial em vendas e ser produtivo para converter qualquer oportunidade de negócio em receita.Um bom plano de vendas deve ser curto, simples e direto ao ponto. Ele deve conter essencialmente os seus objetivos e metas de receita e as ações para conquistar novos clientes e crescer as vendas a partir dos clientes existentes.Dia 8 de Dezembro, às 10h, o Salesforce e a Endeavor Brasil realizarão um webinar gratuito para você montar seu plano de vendas e vencer na crise. Mas enquanto esse dia não chega, aqui vai uma prévia: conheça 4 estratégias práticas de crescimento em 2016.


Estratégia 1: Defina sua Meta


Este é um elemento crítico do plano de vendas pois definirá o seu ritmo de crescimento e a sua cadência de acompanhamento periódica de novas vendas. Estes são os principais pontos que você deve considerar ao determinar suas metas de vendas:


Dado o seu planejamento estratégico e as oportunidades de negócios, qual a meta de crescimento que faz sentido para sua empresa?Qual o mix de vendas de clientes existentes vs. vendas de novos clientes que suportará este crescimento?Quais as restrições de capacidade do seu negócio? Por exemplo: se você planeja crescer 50% e isso significa contratar mais vendedores, você tem os recursos financeiros para aumentar o seu headcount?


Estratégia 2: Ajuste o Funil


O funil de vendas é um dos recursos mais importantes em gestão e planejamento de vendas e marketing. Essencialmente, o seu funil informa quão bem a sua empresa converte leads em clientes potenciais e, mais importante, clientes potenciais em clientes reais.Construa um plano que permita a automação do seu funil de vendas para que você consiga gerir o volume sem perder o relacionamento personalizado com cada lead. Além disso, é fundamental que você consiga gerenciar as taxas de conversão entre os diferentes estágios do seu ciclo de vendas.


O MAIS IMPORTANTE NA FASE DE PLANEJAMENTO DE VENDAS É DIMENSIONAR O SEU FUNIL DE VENDAS PARA A META DE CRESCIMENTO ESTIPULADA E ENTÃO IDENTIFICAR POTENCIAIS GARGALOS DE VENDAS E MARKETING.


Alguns exemplos comuns de gargalos:


Geração de leads: quantos leads você precisa gerar? Você terá os recursos de marketing necessários para isso, tais como orçamento de publicidade online/tradicional, canais de prospecção ativa etc.
Qualificação: qual a taxa de conversão de leads para oportunidade de negócios que você precisará? Como ela se compara com o seu histórico de conversão?Dimensionamento do Time de Vendas: você tem a equipe necessária para gerir (e fechar!) todas as oportunidades?


Estratégia 3: Crescimento por Novos Clientes


Sua empresa tem dois motores de crescimento: fazer upsell/cross-sell nos atuais clientes e conquistar clientes novos. Na definição das suas metas você já estimou a taxa de novas vendas que deverão vir de novos clientes. Estes são os principais pontos a serem considerados para conquistar novos clientes:
Comece definindo o seu mercado-alvo e mapeando os canais de marketing apropriados para conectar-se com esta audiência como, por exemplo, mídias sociais, marketing online, marketing de conteúdo, feiras e eventos ou teleprospecção.


Use o seu funil de vendas para determinar quais os melhores leads (ou seja, aqueles com maior taxa de conversão) e concentre recursos nestes canais.Use indicações de clientes existentes – não só para dar credibilidade e validação ao seu produto, mas também peça aos seus clientes que indiquem outras empresas ou pessoas que teriam interesse no que você vende.Incentive a sua força de vendas a conquistar novos clientes. Você pode fazer isso com premiações por clientes novos ou comissionamento diferenciado.

Construa um painel de controle de atividades relacionadas a novos clientes que mostre indicadores como quantidade de cold calls realizados, quantidade de reuniões com clientes em potencial, propostas enviadas etc.


Estratégia 4: Crescimento por Clientes Existentes


CONQUISTAR NOVOS CLIENTES É ÓTIMO E DÁ O OXIGÊNIO NECESSÁRIO PARA A SUA EMPRESA CRESCER. PORÉM, É TAMBÉM A FORMA MAIS CARA DE CRESCER.


Portanto, em tempos de crise, é fundamental que você tenha uma boa estratégia de fidelização de clientes e crescimento baseado em clientes existentes. Estes são os aspectos fundamentais que você deve considerar:
Invista na satisfação dos seus clientes e ouça atentamente o feedback deles sobre seus produtos e serviços. Você pode usar pesquisas de satisfação e focus groups para ter dados estruturados sobre a percepção de seus clientes.


Análise de “Gap”: faça um mapeamento de seus clientes atuais e identifique quais produtos você pode vender para cada um deles.Desenvolva ações de relacionamento com os seus clientes existentes e aproveite para aprofundar o seu conhecimento sobre os clientes.Tenha um sistema de automação, como um CRM, que permita que você gerencie volume de clientes com atendimento personalizado.

Assim como para clientes novos, construa um painel de controle de atividades relacionadas a clientes existentes que mostre indicadores como quantidade de visitas, quantidade de ligações, propostas enviadas etc. Estes painéis também o ajudarão a entender quais representantes de vendas têm mais perfil de cuidar de clientes da base ou para conquistar novos clientes.
Em 2016 os empreendedores brasileiros estarão concentrados em aumentar a produtividade de vendas das suas empresas. Para isso, é fundamental investir em planejamento e automação. Estas são algumas dicas práticas para você elaborar o seu plano de vendas de 2016 e bater as suas metas de crescimento e lembre-se , “se você vender, eles virão”. Bons negócios!

Fonte: Endeavor

16.11.2015 | 11 palavras que definem um empreendedor completo

Um estudo mostrou quais são as atitudes mais importantes em um empreendedor

 

11 palavras que definem um empreendedor completo

 

Visão de oportunidade, proatividade, criatividade e sonho grande. Essas são as características mais importantes que um empreendedor deve ter, segundo um estudo realizado pela Endeavor e o instituto de pesquisa META.

Na comparação com a média global, o Brasil ficou um pouco acima no total geral, com 138.8 contra 136.4, de um total possível de 200 pontos. Em relação aos Estados Unidos, a falta de proatividade nos brasileiros é o principal destaque.

Dentro das quatro características, o estudo levantou palavras-chave essenciais, responsáveis por tornar um empreendedor completo. Confira a seguir quais são essas palavras:

 

1. Antenado
2. Mente aberta
3. Otimista
4. Realizador
5. Autodeterminado
6. Inovação
7. Originalidade
8. Diferente
9. Valores
10. Propósito
11. Progresso

 

 

Fonte:revistapegn

 

04.11.2015 | Na crise, empreender com franquias pode ser menos arriscado

Atualmente se menciona a crise todos os dias. Mesmo sem ser na mídia, seus sinais estão cada vez mais evidentes: quer pelos muitos anúncios de aluga-se, pelos comentários de conhecidos que mencionam perda de emprego, pelos empreendedores que se queixam de menor movimento e faturamento.

Já se testemunham comentários de pessoas que estão renunciando aos supérfluos. Há quem esteja indo além: dividindo o marmitex para fazer duas refeições pelo mesmo valor (não é boato, conheço a pessoa que faz isso).

Entretanto, empreendedor que é empreendedor, que sente comichão de empreender, normalmente não se deixa abater. Se já tem um negócio, está lutando para encontrar alternativas. Está se "virando nos trinta" para conseguir resultados positivos. Afinal, a ameaça é real, os clientes estão ariscos.

Mesmo quando os clientes querem e precisam, estão negociando preço e condições. Ou rareando a frequência de consumo. Portanto, os empreendedores e gestores estão matando muitos leões por dia. Isso porque, na outra ponta, o Leão dos impostos e taxas não perdoa. Quer o seu quinhão, não importa o tamanho do esforço realizado.

E para quem deseja sonha em empreender? Vai ficar parado, de braços cruzados esperando a crise passar? Decerto que na viagem solo, o empreendedor de primeira viagem vai ter muito mais a seu desfavor. Apesar da empolgação, da crença de que o seu negócio vai dar certo, que os clientes vão perceber que o que oferece é melhor, a inexperiência cobra seu preço.

Afinal, são muitos aspectos com que tem de lidar e gerenciar. Desde a parte de promoção de seu produto ou serviço, para fazer com que seu público saiba de sua existência, até a parte comercial, ou seja, de vendas. Tem de lidar com dinheiro, com o fluxo de caixa, contas para pagar, incluindo os financiamentos (se tiver).

E lidar com fornecedores e com colaboradores. Assim, já dá para perceber que sua tarefa é complexa. Por mais que tenha pesquisado, estudado, buscado conhecimento teórico, a prática é desafiadora. Juntar todas as pontas e alinhá-las para alcançar resultado efetivo não é tarefa simples.

Por isso, o modelo de franquias pode ser uma saída para os que desejam empreender e ainda não têm experiência. A grande vantagem é que o modelo de negócio já foi testado. E o empreendedor não vai navegar sozinho apenas com seus instrumentos.

Faz parte do pacote que contrata e pelo qual paga, obter o treinamento e suporte do franqueador para os variados aspectos do negócio. Desde a escolha de localização até as ações de marketing. Vai ter a força da marca a seu favor. Os clientes reconhecem que podem esperar um padrão de atendimento e de qualidade no produto ou serviço.

A despeito do varejo restrito ter crescido apenas 2,2% em 2014 (dado do IBGE), o faturamento das franquias cresceu 7,7% no ano passado, segundo a Associação Brasileira de Franquias – ABF. As microfranquias tiveram uma evolução de 12,8%, aumentando sua participação em 14,7%. E as redes franqueadoras cresceram em 8,8%.

No total, as franquias faturaram R$ 128,5 bilhões em 2014 (ABF). Os empregos também aumentaram no ano passado em 6,5%. Para contrastar: segundo o Ministério do Trabalho e Emprego, o número de vagas abertas no país em 2014 caiu 64,4%, comparativamente a 2013.

Claro que as franquias não passam completamente ao largo da crise. A ordem de crescimento do faturamento das franquias por categoria mostra bastante bem que o consumidor está usando outros critérios para gastar seu dinheiro. Dados de 2014 da ABF mostram que Comunicação informática e eletrônicos foi a que mais cresceu: 27%.

Hotelaria e turismo caiu da 2ª. posição para a 11ª com crescimento de apenas 0,3% no faturamento. Esportes, saúde, beleza e lazer caiu da 1ª. posição para 9ª. Vestuário caiu da 8ª. para 10ª. posição. Até alimentação registra a perda de duas posições, fechando na 7ª. posição, crescendo 7% no faturamento. Casa e construção subiu para 3ª. posição e veículos para 5ª.

Há opções mais baratas de franquias: quiosques, lojas de franquias em ruas, microfranquias. Existe uma parceria de financiamento estabelecida entre a ABF e o Sebrae, em que este dá aval para o franqueado na obtenção de financiamento pelos bancos. Isto porque a taxa de mortalidade das franquias tende a ser menor do que no varejo: 3,7% e a mortalidade das microfranquias é de 8,4%.

Assim, se você estudar bem, fizer seu trabalho de pesquisa das franquias, e com os franqueados, analisar o mapa brasileiro com as áreas de concentração de franquias e os vazios, ou o mapa de sua região e cidade, e se preparar muito bem, esta opção para empreender pode ser menos arriscada, mesmo com o cenário de crise.

Texto: Rose Mary Lopes 

Matéria Original UOL